A Apologia das Rádios Livres.

A Apologia das Rádios Livres.

Apologia significa propriamente e literalmente defesa, então esse artigo vem em defesa das Rádios livres. Mais uma vez venho embasado para defende esse movimento com a constituição federal a começar pelo:
Art. 1º - A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
I - a soberania;
II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana;
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
As rádios livres e comunitárias, não tem desrespeitado a ninguém pelo contrario, somos totalmente ligados a sociedade em um todo trabalhando em prol da comunidade dos comunitários e do município, resgatando a dignidade de muitos jovens que muita das vezes são excluídos pela sociedade, os valores sociais e cunho trabalhista e valorizado e incentivado pelos programadores e pelo coletivos de ambas as rádios livres seja ela Pulga, Xibé ou Voz da Ilha.
Art. 3º - incisos I, III e IV.
I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e
quaisquer outras formas de discriminação.
As rádios livres e comunitárias, através de projetos de cunho educativo e social vem desenvolvendo oficinas de comunicação, visando erradicar os jovens que estão em áreas de risco pela marginalidade em conjunto com o social vem desenvolvendo um projeto de socialização comunitária. Sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outra formas de descriminação.
Art. 220 - A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer
forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.
§ 1º - Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de
informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art.
5º, IV, V, X, XIII e XIV.
§ 2º - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.
§ 5º - Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de
monopólio ou oligopólio.
§ 6º - A publicação de veículo impresso de comunicação independe de licença de autoridade.
Ninguém seja por repreensão policial ou por força física tem o direito de tentar impedir ou monopolizar os meios de comunicação, ninguém pode criar ou tentar criar a seu bel prazer empecilhos a comunicação, o que as rádios comunitárias não só de Tefé mais as dos demais estados da confederação Brasileira estão fazendo e apenas exercendo o seu direito constitucional de levar informações e comunicação através da radiodifusão, não são rádio piratas ou ilegais como as rádios de cunho comercial afirmam são rádios aparadas pela constituição exercendo o seu dever de comunicar apenas isso rádio piratas são rádios comerciais sem concisão o que esta muito distante de ser uma rádio livre.
Art. 221 - A produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos seguintes princípios:
I - preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas;
II - promoção da cultura nacional e regional e estímulo à produção independente que objetive
sua divulgação;
III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais
estabelecidos em lei;
IV - respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família.
As rádios livres e comunitárias de acordo com esse artigo da constituição federal são mais legitimas do qualquer outra rádio e são mais legitima ainda porque nasce de uma comunidade (coletivo e bairro) que quer se comunicar com seu ambiente que quer se expressar mais não encontra canais numa grande mídia.
Ela constitui-se uma rádio legitima, pois trabalha com o social vendo valores éticos e sociais, pois trabalha de acordo com esse artigo da constituição as rádios livres dentro de sua programação trabalha em prol da cultura através oficinas de comunicação, oficinas de softwer livres, festa de cunho social incentivo a cultura e desporto de uma comunidade, além de informar a sociedade através de informativos mensais e apoio e divulgação de eventos relacionados a sociedade.
Se uma instituição de radiodifusão não trabalha divulgando a cultura regional, abrindo espaço aberto para artistas regionais, ou trabalhando com parceria com a educação não se enquadra nesse artigo e de certa forma se torna ilegal, pois a preferência na área de radiodifusão e a área da educação, artística, culturais e informativas vemos por um lado que as rádios de cunho comercial quase ou nunca promovem esses tipos de sociabilidade.
Você pode ter 30 anos de rádio comercial mais se você não desenvolveu nenhuma atividade desse cunho então sua rádio se constitui ilegal, pois onde esta as obras sociais e cunho educativo não há, pelo contrario a uma monopolização dos meios de comunicação que por sua vez acaba se tornando moeda de troca.
Já as rádios que surgem e desenvolvem um trabalho em prol da sociedade, educação, cultura e desporto não são ilegais pelo contrario caem na graça do povo, pois trabalham em prol dessa comunidade tocando o som que eles gostam abrindo espaço para quem quiser falar mandar seu alô tocar sua musica favorita em fim algo do povo para o povo.
Dentro da cultura de radio livre existem os apaixonados por rádio e os idealistas, o governo pode tratar o movimento de rádio livre como criminoso, sendo que o principio do direito penal e apenas a reprovação social o direito penal não protege valores econômicos como querem os barões da rádio difusão de cunho comercial, pelo contrario o direito penal protegem apenas os valores éticos e sociais .
Se você gosta de musica e quer participar dessa militância pela democratização dos meios de comunicação procure um coletivo de rádio livre de sua cidade.